Blog

A imagem da IoT versus RFID

01 de junho

A imagem da IoT versus RFID

Muitas pessoas veem as tecnologias da Internet das Coisas de uma forma positiva, apesar dos problemas, mas não veem a RFID da mesma maneira

Por Mark Roberti

Recebi na semana passada um email da Consumers International, um grupo de organizações de consumidores, sobre um pequeno vídeo criado para alertar os pais sobre brinquedos ligados à Internet (assista ao vídeo). O vídeo destaca como os brinquedos com câmeras ou microfones podem ser hackeados e usados para espionar as famílias. O vídeo me fez pensar: por que, quando há tantos aspectos negativos associados à Internet das Coisas (IoT), muitos executivos veem isso de forma tão positiva - e por que tantos ainda têm uma percepção negativa da tecnologia de identificação por radiofrequência?

Um pouco de história: no início dos anos 2000, a RFID era considerada uma nova tecnologia que mudaria tudo. Notícias foram extremamente positivas. Então, por volta de 2006 ou 2007, a tecnologia entrou no "abismo", como Geoffrey Moore se refere - ou, se você preferir a terminologia do Hype Cycle do Gartner, entrou no vale da desilusão. As notícias se tornaram negativas, assim como a visão de muitos empresários sobre a tecnologia.

A Internet das Coisas tem sido uma expressão de ordem há vários anos e, apesar dos artigos negativos sobre hackers - veja, por exemplo, "Hackers once stole a casino's high-roller database through a thermometer in the lobby fish tank" - a IoT ainda é vista de modo positivo.

Até agora, houve poucos projetos de IoT em grande escala (a menos que você considere a parte RFID da IoT - o que eu faço, mas que muitos analistas e jornalistas não fazem). Realizei uma pesquisa online sobre "grandes projetos de IoT", mas criei apenas alguns exemplos específicos, além de alguns projetos de cidades inteligentes. Então, por que ainda há tanto hype sobre IoT e não sobre RFID?

A IoT ainda pode entrar no abismo e ser vista de forma negativa, mas não acho que seja este o caso. Acredito que tem uma série de coisas que a diferenciam da RFID e de outras novas tecnologias. Uma grande vantagem é que todos nós usamos a internet todos os dias e obtemos enormes benefícios ao fazer isso. Então, estender isso para os objetos ao nosso redor parece ser um aspecto positivo, mesmo se houver alguns incidentes de invasão ao longo do caminho.

Outro motivo pelo qual as tecnologias de IoT ainda são vistas de forma positiva é que são relativamente fáceis de implantar (estamos conectando computadores à Internet há mais de duas décadas) e não envolvem muitas mudanças nos processos de negócios. Por exemplo, se você colocar um dispositivo IoT dentro de uma unidade de aquecimento e ventilação que vende para os clientes, basta configurar um software para monitorar os dados e alertar alguém se, por exemplo, o nível de vibrações na unidade mudar, o que poderia indicar necessidade de manutenção.

Os sistemas RFID passivos usam ondas de rádio fracas que podem ser bloqueadas ou interferidas, e quando técnicos mal treinados e com pouco conhecimento de sistemas RFID os instalam, tendem a não funcionar bem. Projetos desastrosos acabam sendo falados e a tecnologia passa a ser vista negativamente.

Outra coisa que beneficia as tecnologias IoT é que a IoT tem algumas empresas muito grandes empurrando-a. Para cada história negativa que um executivo lê sobre as tecnologias IoT, pode ver meia dúzia de anúncios da Cisco, IBM e outros retratando a IoT de uma forma positiva. A RFID, por outro lado, quase não teve exposição na TV.

A RFID sofreu com a falta de liderança. Nenhuma associação saiu promovendo a tecnologia ou combatendo estereótipos negativos. Grandes empresas de tecnologia fugiram da RFID assim que entrou no abismo. Agora vão voltar à medida que a adoção de RFID se espalhar, claro, mas o fato de eles não terem promovido os benefícios da tecnologia retardou a adoção da RFID.

O uso de tecnologias IoT pode, em alguns casos, substituir a adoção de RFID em alguns setores. Os fabricantes podem instalar sensores nas máquinas da fábrica antes de etiquetarem todas as suas peças, caixas, matérias-primas e outras coisas. Mas a verdadeira transformação digital não pode ser alcançada até que as empresas identifiquem todos os ativos físicos dentro de suas instalações com os transponders RFID - e o valor real da Internet das Coisas não será realizado até que as empresas adotem a RFID.

Mark Roberti é o fundador e editor do RFID Journal.

Fonte http://brasil.rfidjournal.com/notas-do-editor/vision?17578/

 

Voltar